Custo oficial da Copa sobe 10% e vai até R$ 28 bilhões

Rodrigo Mattos
Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Vinícius Segalla/UOL

    Manifestante carrega cartaz contrário à realização da Copa do Mundo, em Belo Horizonte

    Manifestante carrega cartaz contrário à realização da Copa do Mundo, em Belo Horizonte

Veja Também

O custo oficial da Copa-2014 subiu 9,7% e já atingiu em torno de R$ 28 bilhões. A informação é do secretário executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes, que explicou que a revisão do número oficial será feita após a Copa das Confederações. Na última atualização, em abril de 2013, o balanço oficial apontava R$ 25,520 bilhões.

O UOL Esporte já tinha demonstrado que esse número de abril iria subir porque o governo federal ainda não incluíra aumentos nos orçamentos do Maracanã e no Estádio de Brasília, instalações provisórias, entre outros itens. Agora, Luis Fernandes confirmou que, com a atualização no momento, esses valores giram torno de R$ 28 bilhões. Mas o número preciso será sabido ao final da competição quando for feita a revisão da matriz de responsabilidades do governo federal, que inclui todas as obras da Copa.

Não foram especificados ainda pelo ministério todos os itens que levaram à majoração do gastos com o Mundial. Esse valor ainda está abaixo da previsão do governo federal de usar R$ 33 bilhões na organização do Mundial.

Por isso, uma nota do Ministério do Esporte afirmou que não houve aumento no orçamento da Copa: chamou o novo número de evolução de investimentos.  "A informação dada pelo secretário executivo do Ministério do Esporte, Luís Fernandes, foi de que os investimentos atualmente estão na casa de R$ 28 bilhões, dentro do teto estimado em R$ 33 bilhões, até 2014. Não houve, portanto, aumento de orçamento, e sim evolução nos investimentos, conforme o planejamento estabelecido pelo governo", diz a nota.

Os custos com o Mundial têm sido um dos pontos de críticas dos protestos que tomaram as ruas das capitais brasileiras e reuniram 250 mil pessoas nesta segunda-feira. O representante do Ministério defendeu os recursos usados na competição porque entende que eles se revertem em desenolvimento para o país. Até disse que também terão impacto em saúde e educação, áreas que os manifestantes reivindicam que tenha mais dinheiro, em detrimento da competição.

"Não há contradição entre os investimentos sociais e os investimentos que estamos fazendo para a Copa do Mundo. É muito mais fácil negociar recursos para ciência, tecnologia e educação com a Copa. A facilidade que temos para estruturar programas de educação é única. Ou aproveitamos ou perdemos. É uma oportunidade histórica", afirmou Fernandes.  "Há apoio disseminado na população brasileira pela Copa do Mundo. Não há disseminada oposição à Copa. Há setores que estão desinformados sobre a Copa. A Copa é uma oportunidade para investimento. São investimentos em infraestrutura e em seviços para melhorar a vida dos brasileiros."

Questionado sobre os benefícios em mobilidade urbana, o representante do Ministério ressaltou que o total gira para essa área gira em torno de R$ 9 bilhões. Esse valor, que já foi de R$ 11 bilhões, caiu no último ano com a exclusão de grandes projetos em Manaus e São Paulo, entre outras cidades-sedes, em um total de R$ 4 bilhões. Em troca, foram colocados na lista da Copa obras no entorno dos estádios e pequenas interveções de mobilidade urbana.

Fernandes ressaltou, porém, que "exemplos concretos" de benefícios à população com a melhoria nos transportes. Entre eles, o representante do Ministério lembrou do BRT (corredor de ônibus) no Rio de Janeiro e o metrô de Recife, que atinge área não atendida pela população.

O representante do Ministério não vê problemas nos manifestos nas ruas, ressaltando que demonstram a característica democrática do país. "É um país democrático. Em um país democrático, todos têm direito de manifestar a ideia de que cada um dentro do direito constitucional. E, quando demonstrado de forma pacífica, é em ponto positivo. A demonstração tem direito de ter paz, mas quem quiser ir ao estádio tem direito com segurança e segurança", observou.

Ele criticou, no entanto, a depredação do prédio da Alerj (Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro), que classificou como símbolo da democracia por ter sido casa das primeiras constiuições do país.

Notícias relacionadas



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos