Felipão abre mão de supersalário, mas leva seus aliados para comissão técnica

Bruno Freitas, Paulo Passos, Ricardo Perrone e Rodrigo Mattos
Do UOL, em São Paulo

  • Fernando Pilatos/UOL

    Luiz Felipe Scolari ainda não bateu o martelo sobre o seu salário na seleção brasileira

    Luiz Felipe Scolari ainda não bateu o martelo sobre o seu salário na seleção brasileira

Veja Também

O futuro técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, ainda não bateu o martelo sobre o seu salário na CBF, mas já tem claro que contará com uma comissão técnica de velhos conhecidos seus. O UOL Esporte apurou que Felipão, que será anunciado nesta quinta-feira como novo comandante do Brasil, não manterá o padrão de supersalário que recebia no Palmeiras.

O staff do treinador não vê isso como problema. Scolari planeja compensar a diferença entre o que ganhava no Palmeiras e seu novo salário  com patrocinadores pessoais.  Em Portugal,  ele  engrossava seus vencimentos atuando como garoto-propaganda de diversas empresas, além de ceder sua imagem para a divulgação da Eurocopa, que foi disputada no país.

O UOL Esporte apurou que a CBF não pretende abrir mão da sua política de salários. Mano Menezes, por exemplo, recebia aproximadamente R$ 350 mil, bem menos que o salário de Scolari na última passagem pelo Palmeiras (cerca de R$ 700 mil)

Marin e o Felipão ainda não definiram valores do contrato. O técnico já deixou claro que exige autonomia para formação da sua comissão técnica. Nomes como Flávio Murtosa, auxiliar-técnico, Carlos Pracidelli, preparador de goleiros, são tidos como certos na comissão técnica de Felipão. O treinador ouviu de Marin que do técnico para baixo todas as escolhas  serão de Scolari.

Para o cargo de preparador físico, Felipão  tem dois nomes: Paulo Paixão e Darlan Schneider. O primeiro trabalhou com Felipão em clubes como Grêmio e Palmeiras e está atualmente no tricolor gaucho. Já Schneider é sobrinho do técnico e esteve com ele nas seleções do Brasil e de Portugal.

Felipão teria aceitado uma sugestão de Marin, a do nome de Milton Cruz como auxiliar-técnico. Porém, o funcionário do São Paulo ainda não recebeu o convite oficial para o cargo. Desde quando assumiu a CBF, o cartola avisou ao ex-atacante que o chamaria para a seleção brasileira. 

Luiz Felipe Scolari
Luiz Felipe Scolari

BOLEIROS OPINAM SOBRE A MUDANÇA

Romário: "Graças a Deus esses incompetentes da CBF acertaram pelo menos uma vez. Desejo muita sorte ao meu amigo Parreira e ao Felipão. Vai acabar o cartel das convocações." LEIA MAIS Zagallo: "Formei uma dupla muito vitoriosa com o Parreira. Ganhamos 70, 94, além de outros tantos bons trabalhos. A única coisa que posso desejar é sorte, eles vão precisar. Eles têm que ganhar a Copa!"
Carlos Alberto Torres: "Parreira 200% aprovado. Felipão é meu amigo, mas acho que seleção é momento. Deixou o time dele na segunda divisão. Acho que nesse momento teria outros treinadores à frente" Zico: "O Brasil está bem entregue. Acho que não vão começar do zero. Já tem um grupo formado, qualificado, não devam ter problema pra que se apresente bem"
Antonio Lopes: "Pela experiência dos dois profissionais sim [sai ganhando], considerando que o Mano não tem experiência em Copa do Mundo. Acho que não falta tempo. Em 2002 não faltou." Américo Faria:"Temos um período hábil [até a Copa] que será facilitado até pela experiência dos dois. Já existe uma base, nomes que podem ser aproveitados"
Maurício Assumpção, presidente do Botafogo: "A saída do Mano foi errada. Essa dupla vitoriosa é muito importante. Os dois ganharam títulos mundiais. Nesse momento, o currículo é importante" Mauro Galvão: "Conheço o Felipão. Tive a oportunidade de trabalhar com ele. Pode ajudar muito o Brasil, principalmente neste processo de renovação"

 

Últimas de Copa do Mundo 2014



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos