Escolas de samba de SP fazem lobby para participar da abertura da Copa de 2014

Vinicius Konchinski

Do UOL, em São Paulo

  • Julia Chequer/Folhapress

    Bateria escola de samba da Vai-Vai quer tocar na abertura do Mundial, no Itaquerão

    Bateria escola de samba da Vai-Vai quer tocar na abertura do Mundial, no Itaquerão

O resultado do desfile das escolas de samba de São Paulo pode representar neste ano mais do que o título da disputa do carnaval. Algumas escolas pretendem impressionar autoridades para, com isso, pleitear sua participação na abertura da Copa do Mundo de 2014. E para estreitar seu relacionamento com os organizadores do Mundial, algumas agremiações já iniciaram conversas sobre a festa do início da Copa, que acontecerá na cidade de São Paulo.

Neste domingo, a Vai-Vai, maior campeã do carnaval da capital paulista, recebeu a visita de Gilmar Tadeu Ribeiro Alves, secretário especial da Copa da Prefeitura de São Paulo. A presença do secretário foi anunciada no meio do ensaio da escola e saldada com o rufo dos tambores da bateria. A intenção da agremiação também foi declarada pelo puxador da escola, Wander Pires, para que todos os integrantes se envolvam no audacioso projeto.

“Está aqui o secretário Gilmar Tadeu. Ele veio conhecer a escola”, anunciou ele. “Vamos mostrar temos condições de participar da festa de abertura da Copa do Mundo de 2014.”

A Vai-Vai, inclusive, não foi a única escola a receber Gilmar Tadeu nesta temporada de ensaios. O secretário também visitou a Gaviões da Fiel, ligada à torcida Corinthians, clube dono do estádio que receberá o primeiro jogo do Mundial.

Apesar da Gaviões afirmar que está totalmente focada no desfile deste ano e negar qualquer pedido sobre a abertura da Copa de 2014, a própria assessoria de imprensa do secretário confirmou o interesse da escola na festa. Segundo a secretaria, esse interesse não significa a existência de qualquer tipo de negociação.

De acordo com o órgão, a organização da abertura do Mundial é responsabilidade da Fifa. Por isso, será a entidade quem determinará quem participará do evento. Isso não quer dizer, informou a secretaria, que autoridades locais não possam fazer sugestões sobre a festa.

Nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, em 2007, escolas de sambas cariocas também pleitearam participação na festa de abertura do evento, no Maracanã. Para agradar todas as agremiações, a organização dos Jogos escalou cerca de 1.500 integrantes de várias escolas da cidade para se apresentarem na festa.

O presidente da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo, Paulo Sérgio Ferreira, afirmou ao UOL que já apresentou a possibilidade de uma apresentação conjunta na abertura do Mundial à secretaria da Copa. Segundo ele, representantes da liga se reuniram há cerca de um mês com Gilmar Tadeu para falar do assunto. "A Copa é um evento muito grande. Não faz sentido que só uma escola participe", defendeu Ferreira, em entrevista nesta terça-feira.

Ferreira disse ainda que as escolas de sambas paulistanas querem se apresentar também em espaços montados para torcedores assistirem jogos fora dos estádios, como os Fan Fests da Fifa. Disse, inclusive, que estuda a possibilidade da Cidade do Samba, que está sendo construída pela Prefeitura de São Paulo, instalar seu próprio telão ou então elaborar uma programação especial de shows para atrair os turistas durante o Mundial.

Tudo isso, porém, ainda está indefinido, de acordo com Ferreira. Faltando mais de dois anos para o início da Copa, o presidente da Liga das Escolas de Samba acredita que há tempo para que tudo seja discutido com todas as escolas acordado para que todos saiam satisfeitos.

A Fifa também pensa assim. Questionada pelo UOL sobre a abertura do torneio, a entidade máxima do futebol informou que não tem nenhum detalhe sobre o evento e que tudo deve ser decidido no futuro.

As obras do Itaquerão
As obras do Itaquerão