Copa 2018

Copa dos "gringos": 40% das seleções devem ter treinador estrangeiro

Hector Retamal/AFP Photo
Gareca, ex-treinador do Palmeiras, comandará o Peru na Copa Imagem: Hector Retamal/AFP Photo

Do UOL, em São Paulo

13/02/2018 04h00

A presença de treinadores estrangeiros à frente de seleções nacionais é um fenômeno consolidado no futebol mundial. E a prova disso é a próxima Copa do Mundo, na Rússia. Das 32 seleções classificadas para o torneio, 40% são comandadas por técnicos “gringos”. Se nada mudar até lá, serão 13 treinadores nessa condição.

O número é ainda mais alto se considerado que Vladimir Petkovic, comandante da Suíça, é nascido na Bósnia. No entanto, o treinador que será adversário do Brasil na estreia é naturalizado suíço e por isso não entrou na conta final.

O país que mais emplacou técnicos à frente de outras seleções foi a Argentina, com quatro nomes. Héctor Cúper comanda o Egito, Juan Antonio Pizzi dirige a Arábia Saudita, Ricardo Gareca está no Peru e José Pekerman é o treinador da Colômbia.

Colômbia que, se importou um técnico para sua seleção, por outro lado é o segundo país que mais “emprestou” profissionais. Juan Carlos Osorio é o comandante do México, enquanto Hernán Bolillo Gómez está à frente do Panamá.

Também há casos de treinadores cujos países de origem não se classificaram para a Copa, como o norueguês Age Hareide, treinador da Dinamarca, o bósnio Vahid Halilhodzic, do Japão, e o holandês Van Marwijk, que classificou a Arábia Saudita, mas na Copa estará à frente da Austrália.

O cenário também mostra que o prestígio dos argentinos segue em alta no mercado de treinadores. Além dos quatro técnicos já citados, Jorge Sampaoli, que dirigiu a seleção chilena e estava no Sevilla, foi contratado no ano passado para comandar a Argentina, fechando o grupo de cinco profissionais do país garantidos na Copa da Rússia.

Veja a lista completa dos técnicos “estrangeiros”:

Arábia Saudita: Juan Antonio Pizzi (argentino)
Austrália: Van Marwijk (holandês)
Bélgica: Roberto Martínez (espanhol)
Colômbia: José Pekerman (argentino)
Dinamarca: Age Hareide (norueguês)
Egito: Héctor Cúper (argentino)
Irã: Carlos Queiroz (português)
Japão: Vahid Halilhodzic (bósnio)
Marrocos: Hervé Renard (francês)
México: Juan Carlos Osorio (colombiano)
Nigéria: Gernot Rohr (alemão)
Panamá: Hernán Bolillo Gomez (colombiano)
Peru: Ricardo Gareca (argentino)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Rafael Reis
Blog do Rafael Reis
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
EFE
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
André Rocha
UOL Esporte vê TV
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte - Futebol
Copa do Mundo 2018
Blog do Rafael Reis
UOL Esporte vê TV
Copa do Mundo 2018
LancePress
Blog do Marcel Rizzo
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte - Futebol
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
EFE
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Blog do Rafael Reis
UOL Esporte - Futebol
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Copa do Mundo 2018
Blog do Rafael Reis
UOL Esporte vê TV
Copa do Mundo 2018
UOL Esporte
UOL Esporte
UOL Esporte
Topo